32.dia - Maria da Fé - Perdões

Estamos em Maria da Fé "Terra dos Olivais". Levantamos 09:00 e fomos com o MH para o pátio da antiga estação de trem para tomar café. Primeiro tivemos que atender os marienses que queriam conhecer nossa casa, uma senhora passou por mim na rua e disse : vou conhecer sua casa e já se dirigiu sem cerimônia e foi entrando...criança, senhora, garis, de todos um pouco...fora os que olham de longe.
Tiramos algumas fotos e tomamos café. Na praça da estação tem um "tori" (pórtico) em homenagem aos 80 anos da chegada dos japoneses a Maria da Fé e 2 cerejeiras, que estão floridas.
Fomos para a Epamig (Empresa de Pesquisa Agropecuária de MG) para ver a lenda do azeite brasileiro...
Quem nos acompanhou foi o Emerson D. Gonçalves, gaúcho de Santana do Livramento e especialista em fruticultura de clima temperado. Tomando chimarrão fomos conhecer as instalações: nessa unidade existem frutas (pêssegos, mirtilo, maçã, goiaba) mas está se direcionando para as oliveiras fortemente nos últimos tempos, com cerca de 80 variedades.
Há 50 anos atrás um pesquisador intrigado com as oliveiras que tem nas ruas da cidade resolveu trazer várias mudas dos Estados Unidos e começar a estudar. Mas é tudo muito diferente da região mediterrânea onde as oliveiras existem desde priscas eras, então toda a tecnologia para dar certo aqui no Brasil é resultado de muitas tentativas e erros e acertos: desde clonagem, poda, tratamento, estaqueamento, etc, etc.
Visitamos os jardins clonais, as estufas, a feitura das estacas, onde se faz a prensagem a frio e as azeitonas em conserva. A prensagem é feita em janeiro/fevereiro, mas a quantidade é minúscula. Esse ano foi cerca de 50 litros, vendido a R$ 200,00 (ainda bem que não tinha para vender....ia ficar chato ter que recusar).  Tem 4.000 pés de oliveiras.
Eu não sabia que a azeitona preta é porque não foi colhida na época correta, se passar da hora ela escurece.
Experimentamos 3 gotas do azeite e nos despedimos do Emerson.
Almoçamos no Rest. 3 Marias e nos encontramos com o primeiro fogão a lenha mineiro cheio de comidinhas...não vai combinar com a balança...
Saímos de Maria da Fé em direção a Lambari (tem um lago muito bonito) e Cambuquira "A melhor água mineral do mundo" (quem será que dá esses títulos??). 
 A idéia era pernoitar aqui mas o Parque das Águas não tem mais balneário (será reinaugurado em setembro), só tem as 5 fontes para beber; sulfurosa, gasosa, férrea, litinada e magnesiana. Então resolvemos seguir até Três Corações.
Parados em Cambuquira passou uma caminhonete GM 1950, muito linda! O dono parou e foi conhecer o MH.
Três Corações (terra do Pelé) não mostrou nada aconchegante e como estava de dia seguimos mais um pouco.
Passamos por muitos cafezais de altitude e bananeiras.
Estamos estacionados no Recanto do Caminhoneiro, do posto Graal de Perdões: banho tomado, lanchamos e o Silvano está fazendo palavras cruzadas enquanto escrevo . Aqui no posto tem um Bel Air amarelo lindo!
Boa noite amigos de Piracaia e família em Porto Alegre .
Beijos a todos.











Comentários

Fabio disse…
Eita óleozinho caro da porra...
Inara disse…
ah, agora vi que não vai rolar esse azeite...

Postagens mais visitadas deste blog

75.dia - Registro (SP) - Florianópolis (SC)

44.dia - Serro - Milho Verde - São Gonçalo do Rio das Pedras - Serro

09 a 14-10-2017 - POA - Frankfurt - Madri